PESSOAS NÃO DEIXAM EMPRESAS, DEIXAM GESTORES

5 razões para fazer uma pós graduação imediatamente

Várias pesquisas conduzidas por consultorias mundiais mostram que o título deste artigo é uma realidade no mundo dos negócios em pelo menos 85% dos casos e alertam para o grande impacto nos resultados causado por gestores despreparados para a liderança das equipes.
Uma das grandes preocupações das organizações está em atrair profissionais capacitados para montar uma equipe diversificada e competente, com colaboradores que pensam e atuam de forma complementar. Além desse desafio, as empresas também precisam lidar com a retenção dessas pessoas em seus negócios – já que, de forma geral, o tempo médio de permanência vem caindo de forma vertiginosa nos últimos anos, fruto, provavelmente, da sensação de insatisfação permanente e da busca por resultados imediatos que são característicos dos profissionais das gerações mais recentes.

Para lidar com esse cenário, nos desafios da atração e retenção de talentos, muitas iniciativas são lançadas e voltadas para melhores salários, bônus e benefícios ao colaborador. Porém, verificamos que ainda há um olhar pouco direcionado para a máxima do título desse artigo: os gestores. Estariam as empresas efetivamente trabalhando seus gestores para que a atração de talentos fosse maior?

Apesar de observarmos um crescimento dessa percepção e do investimento das empresas em desenvolver seus líderes, ainda há pouco sendo feito – ou, ainda pior, o que está sendo feito não é consistente o suficiente para garantir um modelo de atuação dos gestores que sustente os resultados e, ao mesmo tempo, engaje os talentos da empresa em torno de seu propósito, visão, missão e valores.

As empresas precisam, em minha visão, ir para o princípio de tudo e se fazerem uma pergunta com os ouvidos abertos para aquilo que pode ser doloroso: por que estamos perdendo nossos talentos? A partir daí, elas podem iniciar o desenho de soluções eficazes, pois estarão trabalhando nas causas da perda de talentos e não nos sintomas.

Muito provavelmente, ao se fazerem essa pergunta, as empresas descobrirão que, apesar do excelente pacote de remuneração e benefícios, das oportunidades de crescimento e aprendizado disponíveis, o impacto de uma liderança despreparada na motivação da equipe é devastador.

Gestores agressivos, pouco confiáveis, que tratam a equipe de forma injusta, que não reconhecem as contribuições realizadas, que não dedicam tempo para ensinar e apenas apontam erros, que não delegam demonstrando não confiar, são exemplos de comportamentos que minam a satisfação da equipe e alimentam o desejo por algo melhor em outra empresa na eterna ilusão de que “a grama do vizinho é mais verde”. Infelizmente, não haverá muita mudança com a troca de emprego, já que o cenário de liderança despreparada atinge a grande maioria das organizações.

De acordo com o renomado estudo publicado pela Universidade do Estado da Flórida, o Leadership Quarterly, “39% dos trabalhadores disseram que o seu supervisor não consegue cumprir as promessas; 27% afirmaram que o seu supervisor fez comentários negativos sobre eles para os outros funcionários ou gerentes; 24% indicaram que o seu chefe invadiu sua privacidade; e 23% disseram que seu supervisor culpava os outros para encobrir erros pessoais ou minimizar a situação“.

Diante desse cenário, vale destacar que uma gestão inteligente não exige apenas esforço e experiência, mas também demanda o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de competências de liderança que irão contribuir para a retenção de talentos e evitar o “turnover” – a rotatividade. Aliás, o custo de um gestor despreparado é alto demais para se tolerar dentro de uma empresa, pois não só as pessoas irão desistir com muito mais frequência como também serão muito menos produtivas antes de o fazerem. A boa notícia, nisso tudo, é a que a liderança pode ser desenvolvida – aprendida.

Em Mato Grosso, muitos profissionais já estão sendo desenvolvidos para alcançar a alta performance, seja com o investimento da empresa onde atuam ou do próprio bolso. As empresas estão investindo porque já perceberam que o desenvolvimento de seus líderes traz resultados consistentes a longo prazo, pois garante que exista um processo de gestão eficaz de pessoas e que estimula os colaboradores a darem o seu melhor no trabalho – engajando-os na busca pelos resultados almejados.

Lorena Lacerda é Diretora Executiva do Grupo Valure, representante da Fundação Dom Cabral (FDC) em MT, Coach de Executivos e Times há mais de 17 anos, Mentora de Gestão e Treinadora de Líderes.

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Postagens relacionadas

Dicas de Carreira

SUA LIDERANÇA ESTÁ EM EQUILÍBRIO?

Neste vídeo da série “Dicas de carreira” nossa CEO, @lorenalacerda, compartilha dicas importantes de como o Líder deve equilibrar hábitos para conseguir levar a equipe

Como podemos te ajudar?

Open chat
Precisa de ajuda?