Grupo Valure

Associada à Fundação Dom Cabral

Notícias

Inteligência Emocional, habilidade essencial do líder de alta performance

Publicação: 14/07/2020 às 17:25 | Autor: Claudia Lisboa

Você é líder ou gestor?
Sim, são coisas muito diferentes, mas que, entretanto, se complementam.
Liderança não é um cargo, mas, sim, um conjunto de conhecimentos, habilidade e atitudes que podemos desenvolver ao longo da vida toda.
Estar em cargo de gestão não significa que você é um líder, pois são seus liderados que irão dizer se você é líder ou não!
Naturalmente, pessoas que possuem habilidades de liderança desenvolvidas apresentam grande poder de comunicação, ótimo relacionamento interpessoal, muita resiliência, facilidade para aprender e ensinar e são buscadas para aconselhamento/mentoria, por serem uma referência na organização.
O gestor, via de regra, precisa desenvolver muitas aptidões técnicas para gerenciar processos, projetos, conduzir resoluções de problemas, desenhar cronogramas e monitor prazos e metas, ou seja: lidar com as questões técnicas do cargo, o que é muito importante mas não garante a mobilização das pessoas para as metas, inspirá-las e desenvolvê-las.
Resumindo, posso ser gestor sem ser um líder, assim como posso ser um líder sem ser gestor, já que se tratam de habilidades distintas e complementares.
O que é importante ressaltar é que as habilidades técnicas e sócio emocionais do Gestor precisam estar plenamente desenvolvidos para que possa ser reconhecido como um líder.
Sim, liderança não é um cargo, e sim um reconhecimento das pessoas que você gerencia. Um líder só existe porque tem seguidores (liderados).
Agora você poderá estar se questionando: “Por onde começar a trabalhar o meu perfil de líder?”
Sem sombra de dúvidas, você deve começar pela espinha dorsal de todas as habilidades sócio emocionais: A inteligência emocional.
Para que entendamos melhor a importância da IE em números, a Consultoria americana Talent Smart realizou uma pesquisa que nos proporciona as seguintes informações:
 
  • 90% dos colaboradores que mais performam possuem alto índice de inteligência emocional;
  • Inteligência emocional é responsável por 58% de sua performance no trabalho;
  • Pessoas com alto grau de inteligência emocional ganham uma média de U$ 29 mil dólares a mais por ano.
 
Interessante olharmos para esses números não é mesmo?
Por séculos as organizações valorizaram de forma excessiva a inteligência lógica-matemática, que continua sendo importante, mas não é o diferencial quando falamos em gestão de pessoas e relacionamentos interpessoais.
O mundo mudou e as organizações também.
Aquele estilo de gestão focado apenas nas questões técnicas não funciona mais; precisamos de habilidades sócio emocionais.
 
Daniel Goleman descreve a inteligência emocional como a capacidade de uma pessoa gerenciar seus sentimentos, de modo que eles sejam expressos de maneira apropriada e eficaz. 
Segundo o psicólogo, o controle das emoções é essencial para o desenvolvimento da inteligência de um indivíduo. 
Seu modelo sobre a inteligência emocional – IE, foca em uma série de competências e habilidades que, de acordo com ele, propiciam melhores desempenhos profissionais – inclusive, como líder. 
 
O modelo de Goleman posiciona a IE como o conjunto de competências e habilidades fundamentadas em cinco pilares: 
 
  1. Autoconsciência emocional: capacidade de reconhecer as próprias emoções e o impacto delas na sua vida.
  2. Controle das emoções: capacidade de lidar com as próprias emoções
  3. Canalizar produtivamente as emoções: capacidade de se motivar e de se manter motivado, direcionar suas emoções para ações produtivas.
  4. Empatia: capacidade de enxergar as situações pela perspectiva dos outros.
  5. Lidar com Relacionamentos: conjunto de capacidades envolvidas na interação social.
 
A Inteligência Emocional é a base para toda e qualquer competência comportamental que você pretenda desenvolver.
Uma pessoa com quociente emocional elevado possuiu excelente autoconhecimento, o que lhe proporciona uma percepção clara sob seus pontos fortes e a desenvolver, habilidade essa que é encontrada em pessoas com alta consciência emocional – primeiro pilar da inteligência emocional.
Pessoas que sabem e se aceitam como são, têm maior facilidade para receber feedback e buscar o autodesenvolvimento em prol de seus objetivos.
 
Se você quer se tornar um líder de alta performance, comece já a desenvolver sua inteligência emocional, pois essa habilidade lhe dará suporte para desenvolver outras habilidades sócio emocionais como: comunicação, negociação, trabalho em equipe, pensamento crítico, gestão de conflitos.
 
Quero deixar você que está lendo esse artigo com a seguinte reflexão: De 0 a 10, que nota você se daria em cada um desses 5 pilares da inteligência emocional? Em qual deles você precisa colocar mais energia para desenvolver?
 
Faça este exercício de autoanálise e diariamente defina pequenos passos para avançar rumo ao modelo que te ajudará a se tornar um líder de alta performance.
 
Escrito por Claudia Lisboa, Mentora d Coaching de Executivos, Especialista em Soft Skills, Sócia e Diretora de Conteúdo da Step U e Consultora Associada ao Grupo Valure.
 
Esta publicação não possui nenhum comentário ainda. Seja o primeiro, preencha os campos abaixo!
Grupo Valure
Cuiabá - MT
Rua Corumbá, 259 - Bairro Baú - Fone (65) 3318-2600
CEP: 78008 -100
 
Ver no mapa

Redes sociais

Sitevip Internet